Almoço Empresarial promovido pela CIC Teutônia aborda a gestão de pessoas

As transformações nas relações de trabalho e gestão das pessoas pautaram mais uma edição do tradicional Almoço Empresarial, promovido pela CIC Teutônia no dia 14 de junho. A palestrante foi a especialista em Gestão de Pessoas e Gestão Universitária, mestre em Administração, Evânia Schneider, professora e diretora de Desenvolvimento de Pessoas na Univates. O evento contou com o patrocínio de Certel, Colégio Teutônia, Evoluir Gestão Empresarial, Global-Eco Consultoria Ambiental, Cooperativa Languiru, Poolseg, Rivin Moda e Decoração, Sicredi e Univates.

Almoço Empresarial ocorreu no dia 14 de junho, no Auditório 03 da CIC Teutônia (Fotos: Leandro Augusto Hamester)

Nova visão de carreira

Para a palestrante, a visão de carreira mudou. “No passado as pessoas entravam numa empresa imaginando fazer uma vida inteira dentro dessa organização, sabia-se que era preciso subir degrau por degrau, com a construção de uma carreira totalmente linear. Hoje as pessoas não têm mais essa longa caminhada em mente, muito rapidamente querem alcançar os seus sonhos e estão muito mais preparadas. Vivemos a era do conhecimento e da informação, os profissionais de hoje querem espaço para poder dizer o que pensam, questionar os processos”, exemplificou Evânia.

Nesse cenário, os gestores de hoje têm de conviver com pessoas muito mais críticas, mais impacientes e ansiosas por crescimento. “O comprometimento não é mais com a empresa, mas com uma causa. As empresas ainda estão em preparação para essa nova geração de profissionais, estão em transição”, acrescenta.

Palestrante Evânia Schneider

Ouvir e agir

Evânia ressalta que a nova realidade requer, além do desenvolvimento da capacidade de ouvir, a implementação de ações. “Precisamos entender o que as nossas pessoas pensam e querem, e isso requer uma mudança cultural. O modelo atual não aceita falar e não ser ouvido de verdade. As organizações, se souberem aproveitar toda essa capacidade da nova geração, podem crescer muito. Trazer isso para a mesa e poder discutir enriquece muito o negócio, é uma grande oportunidade. Precisamos assimilar as mudanças e valorizar as pessoas, que são o maior ativo das organizações”, concluiu.

TEXTO – Leandro Augusto Hamester