Segunda edição do evento promovido pela CIC Teutônia ocorreu na noite de 25 de abril

Com o tema “Empresas engajadas atraem os consumidores”, a CIC Teutônia realizou a 2ª edição do Happy Hour Empresarial na noite de 25 de abril. O evento reuniu associados e empresários na La Bodeguita para uma noite especial de conhecimento, networking e desenvolvimento.

Vice-presidente da CIC, Caroline Immich, conduziu a mediação do bate-papo (Fotos: Leandro Augusto Hamester)

Como palestrantes foram convidados o administrador de empresas e presidente da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo (AGV), Ricardo Luís Diedrich, e o gestor comercial, consultor em estética facial e ótico por formação, Joel de Assis Leone, que também é o diretor executivo de comércio exterior da ACI de Ijuí.

Trabalho de persistência

Diedrich defendeu que o engajamento deve ser trabalhado constantemente e com o envolvimento de toda equipe. “Todos devem puxar para o mesmo lado, sabendo do propósito da empresa. Para se alcançar esse nível de engajamento, o primeiro passo é o respeito”, disse.

Ele ainda enalteceu a autonomia. “A equipe precisa ter a sua autonomia na tomada de decisões, mas ciente de que será cobrada pelo resultado. As empresas precisam buscar constantemente a qualificação dos seus trabalhadores, disponibilizando e estimulando a participação em cursos, treinamentos e palestras. As pessoas se sentem valorizadas e percebem a sua importância como peça dessa engrenagem empresarial.”

Happy Hour Empresarial foi realizado na La Bodeguita, com patrocínio de Certel Artefatos de Cimento e Sicredi

Paralelamente a tudo isso, Diedrich reforçou a necessidade da continuidade. “É essencial que sejamos persistentes, num trabalho de atualização constante. Toda experiência e contato com o cliente deve ser a melhor possível, mesmo que a resposta na negociação possa ser um ‘não’”, finalizou, indicando que na equipe de trabalho deve ser substituída a competição pela colaboração.

Profissionalismo em primeiro lugar

Leone falou da velocidade das mudanças. “Não há mais tempo a perder com amadorismo: ou você é profissional ou está fora do mercado. As pessoas não podem mais agir simplesmente por repetição, mas precisam ser capazes de inovar, de oferecer algo diferenciado”, apontou.

Entre outros indicadores, o palestrante reforçou que 72% dos consumidores compram de uma marca que oferece experiência personalizada. “O comércio virtual é um processo sem volta e as empresas e profissionais precisam se reinventar para não perder mercado. Um em cada três consumidores esperam por recomendações personalizadas; 29% dizem não ter motivos para voltar à loja física; e três entre quatro consumidores das novas gerações preferem gastar em experiências ou eventos do que comprando produtos”, enumerou.

Diedrich (e) e Leone valorizaram a persistência e o profissionalismo na busca pelo engajamento

A atual geração exige rapidez e solução, com 70% abandonando e desistindo de um negócio pelo atendimento, apenas 15% pelo preço. “A transação deve ser muito mais do que simplesmente trocar um produto por dinheiro”, afirmou.

Por fim, Leone ainda apresentou ferramentas que podem contribuir para engajar a equipe. “Uma simples caixa de ideias pode trazer grandes resultados. São pequenos detalhes, que permitem que a equipe se expresse, coloque o que realmente está precisando, revertendo num funcionário mais engajado e disposto”, finalizou.

TEXTO – Leandro Augusto Hamester